sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Cobots


Can you imagine an art conversation between human beings and intelligent machines?


As we get along with intelligent machines, a new kind of subjectivity will emerge from this new ecology. How it will entangle with art is the next big issue.

By 2021, everyday software will be vastly more intelligent and powerful, replacing humans in more and more tasks. How will we keep up? 
While some predict mass unemployment or all-out war between humans and artificial intelligence, others foresee a less bleak future. Professor Manuela Veloso, head of the machine learning department at Carnegie Mellon University, envisions a future in which humans and intelligent systems are inseparable, bound together in a continual exchange of information and goals that she calls “symbiotic autonomy.” In Veloso’s future, it will be hard to distinguish human agency from automated assistance — but neither people nor software will be much use without the other. 
Veloso is already testing out the idea on the CMU campus, building roving, segway-shaped robots called “cobots” to autonomously escort guests from building to building and ask for human help when they fall short. It’s a new way to think about artificial intelligence, and one that could have profound consequences in the next five years.
We sat down with Veloso in Pittsburgh to talk about robots, programming spontaneity, and the challenge artificial intelligence poses for humanity. 
—in “Humanity And Ai Will Be Inseparable”
Manuela Veloso | Head Of Machine Learning, Carnegie Mellon University
By Russell Brandom | Nov. 15, 2016. The Verge

terça-feira, 25 de outubro de 2016

The computer show has begun



Have you ever heard about Reality Art? 


Have you ever heard about Reality Art?

Well, this is reality art. It flows like a river. You cannot capture and exhibit it as an artwork.

If one shows these videos —by Titanic Sinclair, Mars Argo, Poppy, etc.— in a museum and point to them as art, that would be a misleading gesture because what the museum curator would then be doing in pronouncing such words would be naming dead masks, art. What really matters in reality art is what Alfred Gell called, agency, that is, the living process and purpose that feed the making of beautiful and meaningful things.

Forms follow agency. Form follows time. Form follows life. Form follows love.

Take this post as a random thought and a love declaration to all the artists I invited to The New Art Fest '16. Let's make a great opening party on November 3.

Thank you.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Cheer up Argo


Remember these names: 

Titanic Sinclair, Mars Argo, that argo, Poppy, and that Poppy


We @ The New Art fest '16, Lisbon and the World Wide Web, have already compiled an anthology of Sinclair's best work on the YouTube. Do you want to know my links?

Wait for November 3-10

The New Art Fest ’16

Who is Mars Argo?


Do you know Mars Argo? I invited Titanic Sinclair to join the party and he says yes. At such a short notice, though, he will come to Lisbon only as a dematerialized persona.

Titanic Sinclair might be seen as a post-contemporary young Andy Warhol, from California btw. He is, for now, a YouTube/Twitter/Instagram creature. But aren't we all?

Remember these names: Titanic Sinclair, Mars Argo, that argo, Poppy, and that Poppy

We @ The New Art fest '16, Lisbon and the World Wide Web, have already compiled an anthology of Sinclair's best work. Do you want to know my links?

Wait for November 3-10

The New Art Fest ’16

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Do you know Mars Argo?



The New Art Fest ’16


Do you know Mars Argo? I invited Titanic Sinclair to join the party and he says yes. At such a short notice, though, he will come to Lisbon only as a dematerialized persona.

Titanic Sinclair might be seen as a post-contemporary young Andy Warhol, from California btw. He is, for now, a YouTube/Twitter/Instagram creature. But aren't we all?

Remember these names: Titanic Sinclair, Mars Argo, that margo, Poppy, and that Poppy

We @ The New Art fest '16, Lisbon and the World Wide Web, have already compiled an anthology of Sinclair's best work. Do you want to know my links? 

Wait for November 3-10

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Continuum

crlos-noronha-feio-wild-flowers

The New Art Fest ’16

Continuum - video screenings
3-10 November 2016, Lisbon and the World Wide Web

@ Time Out Market 

AXEL MORIN - “The Pop Up Fire” (001, 002, 003, 004)

@ MUHNAC

I

AXEL MORIN – “The Pop Up Fire 001”  (00:15)
LYNN HERSHMAN – “First Person Plural: The Electronic Diaries of Lynn Hershman” (1:15:01)
AXEL MORIN – “The Pop Up Fire 002”  (00:15)
DEEPSPEED MEDIA – “Deep Lab” (18:32)
AXEL MORIN – “The Pop Up Fire 003”  (00:15)
JULIEN PRÉVIEUX – “What Shall We Do Next? (Sequence #2)” (16:47)
AXEL MORIN – “The Pop Up Fire 004”  (00:15)
PEDRO DOS REIS – “A Ilha” (07:29)
MATEUSZ HERCZKA – “Rivulus Jumping Out of Aquarium, covered and uncovered sides.” (01:34)

II

TITANIC SINCLAIR – “Go Make a Video” (1:23)
KATAI – “Quintessence” (06:00)
GALLO – “Sugar Daddy” (03:15)
EILEEN YAGHOOBIAN – “Send me Your Sexts- Johnny & Brenda, March 2014” (08:04)

III

EMANUEL DIMAS DE MELO PIMENTA – “Adamastor”, 2016 (04:33)
MIGUEL SANTOS – “TXL Express”, 2012 (04:00)
BRUNO CANAS – “abstract existence and obedience” (02:39)
RUI MARTINS – “Stardust”, 2015 (01:40)
MARGARIDA SARDINHA – “London Memory” (21:53)

@ TOMI

ANDRE SIER
AXEL MORIN
BRUNO CANAS/ Pedro Zamith
CARLOS NORONHA FEIO
EMANUEL DIMAS MELO PIMENTA
JOAO BACELAR
JORGE CASTANHO
LEONEL MOURA
MARGARIDA SARDINHA

@ The curator’s blog

TITANIC SINCLAIR – an anthology


On top: “Wild Flowers”. Animated GIF by Carlos Noronha Feio,

domingo, 16 de outubro de 2016

The New Art Fest '16 - quem participa?

Álvaro Seiça - Operation IC (realidade aumentada)

The New Art Fest ’16


Participantes: 47

Addie Wagenknecht
Adelaide Ginga (panelist)
Alexandra Cárdenas
Álvaro Seiça
André Sier
António Carvalho a.k.a. Toyze
Axel Morin
Brian Mackern
Bruno Canas

CADA (Jared Hawkey / Sofia Oliveira w/ Olivier Perriquet)
Carlos Noronha Feio
Catarina Vaz
DC Spensley
Deep Lab
Eileen Yaghoobian
Emanuel Dimas de Melo Pimenta
Eva and Franco Mattes
Gallo
Hugo Madureira
João Bacelar
João Vilhena
John F Simon, Jr.
John Klima
Jorge Castanho
José Oliveira (panelist)
Julien Prévieux
KATAI
Ken Rinaldo
Leonel Moura
Lynn Hershman Leeson
Margarida Sardinha
Marta de Menezes
Mateusz Herczka
Miguel Palma
Miguel Petchkovsky (panelist)
Miguel Santos
Miza Coplin
Nelson Zagalo (panelist)
Pedro dos Reis
Pedro Zamith
Rudolfo Quintas (artist talk)
Rui Martins
Ryan Kirkbride
Sara Orsi
Tara Kelton
Titanic Sinclair

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

44 artists confirmed



The New Art Fest '16


I had some hard time to reach Titanic Sinclair. When I finally did and addressed him an invitation he replied on the spot with a simple word: yes. No strings attached.

All the 44 confirmed artists that will show @ The New Art Fest ’16 are warmly welcome.
This is the first edition of a non-conventional art show. Luisa Moreira and Teresa Boieiro asked me for an idea to do an art exhibition. I replied: why not begin with window stores?

And then we went trough all available but not so often used interfaces to show serious art and have fun with it: street billboards (those small ones sometimes called ‘smart signage’), social networks like Instagram, Twitter, Tumblr, and YouTube, last but not least, a natural and science museum, and the world tech convention Web Summit, which coincides in Lisbon with The New Art Fest ’16. Next year we should also jump to Gin bars, alternative art spaces, suburban trains, subways, trams, lifts, and funiculars. There’s plenty of space in Lisbon for art agency!

We took the decision to go forward in a very precarious financial situation. Almost no sponsors, but a few good friends and a healthy collaboration spirit. We thank you all for your generosity.

Now we just have to match all the deadlines!

António Cerveira Pinto
Director of The New Art Fest 

sábado, 27 de agosto de 2016

Self-inflicting art

An invitation card for Gina Pane’s exhibition “Azione Teorica,” in 1977CreditCourtesy of the collection of Christoph Schifferli, Zurich

Self-inflicting art is a mirror of violence in society


Women's self-inflicting art reflects a state of violence inherent to societies dominated by males (mass misogyny), as male's self-inflicting art reflects a state of violence inherent to societies dominated by homophobic traditions and state plundering over entire populations.

Two readings to put this issue in context... 

I
Nelson is no reformist — in fact, she’s wonderfully fearless when it comes to belittling the well meaning, as critical of the “idiot compassion” of social justice seekers (too often patronizing and ineffectual) as she is of the misogynist gore in exploitation films. She suspects that the human condition is suffering. The best art dramatizes what happens when ethical impulses collide with the monsters within, but these enactments themselves leave behind a nasty residue. 
[...] 
What do we do with this violent surplus? It’s a question that haunts the book. What’s not mentioned is that Nelson has written two previous books, a memoir and a poetry-prose collection, about an instance of violence in her own family history: the 1969 murder of an aunt she’d never met, her mother’s younger sister. So Nelson has been a practitioner of the art of cruelty, too, transforming violence into a métier. It’s exactly these unsaids, the unmastered fascinations being worked out on the page, that make this book so unpredictable and original. 
in New York Times, “Why Is Contemporary Art Addicted to Violence?”
By LAURA KIPNISJULY 14, 2011
A review about
THE ART OF CRUELTY
A Reckoning
By Maggie Nelson

II
Although renowned political scientist John Mearsheimer does not consider himself to be an isolationist – a term which has acquired a negative connotation since WWII – his definition is illuminating as much for clarifying what the term does not mean as for what it does. 
In America Unhinged, Mearsheimer writes: “Isolationism rests on the assumption that no region of the world outside of the Western Hemisphere is of vital strategic importance to the United States. Isolationists do not argue that America has no interests in the wider world, just that they are not important enough to justify deploying military force to defend them. They are fully in favor of engaging with the rest of the world economically as well as diplomatically, but they view all foreign wars as unnecessary.” 
[...] 
The Morally and Intellectually Bankrupt 
The U.S. needs to take the lead on de-militarizing and using the freed-up focus and resources to begin engineering a soft landing for the inevitable imperial/economic decline that we are already experiencing. By any rational measure, our interventions have been disasters, creating more problems than they solve. There is a reason why we are known in other parts of the world as “The Empire of Chaos.” 
We use our military to relentlessly kill and destroy because our political leaders no longer have the will or imagination to build something constructive. Militarism is the refuge of the morally and intellectually bankrupt. 
With a Pentagon budget that comprises 54 percent of the discretionary budget – not counting the black budget expenditures of intelligence agencies estimated at an additional $52 billion annually — this is 4 percent more than 1990 levels – the time at which the late expert on the military industrial complex, Seymour Melman, made the following observation: 
“The American ruling class, by 1990, has become a state/corporate managerial entity. Together they control the military-industrial complex. … The war economy, in the service of extending the decision power and wealth of America’s state and corporate managers, has been consuming the US civilian infrastructure. Roads, bridges, the water supply, waste disposal systems, housing, medical care facilities, schools are in disrepair from coast to coast.” 
Currently, the number one spender on the military at approximately 50 percent of the world total, we are also set to spend $1 trillion on an updated nuclear arsenal, partly justified by a rivalry with the Russian Federation, a face-off that is recognized as largely contrived by those who have a true understanding of post-Soviet U.S.-Russia relations. 
[...] 
American Victims of Empire 
Over 7,000 American military personnel have lost their lives so far in Iraq and Afghanistan. In addition, 56 percent of veterans are receiving treatment with the VA, half have applied for permanent disability and a third are being treated for PTSD, anxiety, and/or depression. Some 250,000 have suffered a traumatic brain injury and close to 2,000 have had limbs amputated. Approximately 175,000 veterans are 70 – 100 percent disabled. It is estimated that care and compensation for veterans of these wars over the coming decades will reach $1 trillion. 
The overall cost of these wars is projected to be $6 trillion, enough for every American household to receive $75,000. Although, military investment does produce some jobs, investment in other sectors of the economy, like healthcare, would produce far more.
According to geopolitical analyst, Conn Hallinan, “We spend more on our ‘official’ military budget than we do on Medicare, Medicaid, Health and Human Services, Education, and Housing and Urban Development combined.” 
In fact, if that $6 trillion spent on wars in the Middle East was to be invested in projects that improved Americans’ lives, we could achieve the following and still have some left over: 
1. Completely upgrade our ailing infrastructure ($3.6 trillion); 
2. Invest the upfront costs to implement the Stanford University planfor 100 percent renewable energy in the U.S. by 2050, creating almost 6 million jobs over 40 years in the process ($350 billion); 
3. Expand Medicare to cover all Americans ($394 billion); 
4. Double the salary of all high school teachers ($80 billion) 
Instead, we have the budgetary sinkhole that has become the security state; simultaneously, our politicians have implemented major tax cuts for the wealthy.  The result over the past 15 years is that we have witnessed the largest transfer of money upward to the wealthiest segment of our society. 
Four hundred Americans now have more wealth, totaling $2 trillion, than 50 percent of all Americans combined. We have also officially become an oligarchy, where only corporations and the super wealthy are able to influence policy. 
What are the implications of this chasm in socioeconomic equality in terms of America’s security? 
Inequality and Domestic Security 
In their seminal 2009 book, The Spirit Level:  Why Greater Equality Makes Societies Stronger, epidemiologists Richard Wilkinson and Kate Pickett explain their findings from years of research on social inequality and its relationship to the security of societies. 
Based on studies of the wealthiest nations (market democracies), societies that have greater disparities of wealth – and, hence, social status – tend to experience lower levels of well-being and stability as indicated by the following criteria: 
1) lower levels of trust among members of society, 
2) higher rates of mental illness and addiction, 
3) lower life expectancy and higher infant mortality rates, 
4) more obesity, 
5) lower children’s educational performance, 
6) higher teenage births, 
7) more homicides, 
8) high incarceration rates, and 
9) less social mobility.

These trends held regardless of the overall wealth of the societies involved.  More equality made between 3 and 10 times a difference in well-being and social security when comparing the market democracies of the world. 
Let’s look at how the U.S. rates on these criteria: 
1) Only 1/3 of Americans trust others, according to a 2013 AP-GfK poll 
2) The U.S. has the highest rate of mental illness, including addiction, in the world (WHO) 
3) Life expectancy for the U.S. is 26th out of the 36 OECD nations, while the U.S. also has the worst infant mortality rate in the West (CDC) 
4) According to a study published by The Lancet in 2014, the US is the most obese nation on the planet 
5) The U.S. ranks 36th in the world for educational performance 
6) The U.S. has the highest teen pregnancy rate in the developed world (CDC) 
7) The U.S. ranks first in homicide rates in the western world and seventh for the entire world 
8) The U.S. has the highest incarceration rate of any nation on earth, both in terms of the per capita rate and the overall number of people locked up 
9) A child born into poverty in the U.S. today has a 33 percent chance of moving up the socioeconomic ladder, compared to a 50 percent chance in 1946 
As it turns out, America is indeed exceptional, but not in the way President Obama would like everyone to believe. 
in “The Staggering Cost Of The Washington Imperium In Dollars And Lives”
by Consortium News • August 26, 2016
By Natylie Baldwin

terça-feira, 23 de agosto de 2016

The New Art Fest '16 (msg#2)


The New Art Fest


um festival de new media, post-internet art, e street culture.
3-10 novembro 2016

Uma das bases iniciais e fortes deste projeto é usar montras da Baixa-Chiado (as famosas devantures duchampainas) durante uma semana em novembro, para mostrar obras de arte, eventualmente renovando a ideia surrealista dos 'cadavre exquis', irmanando deste modo criativo o conteúdo de cada loja participante no festival com a intenção, imaginação e criação do artista convidado. O twist tecnológico desta cooperação é, porém, a marca de água do festival.

Diretor do Festival: António Cerveira Pinto
Organização: Ocupart

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

The New Art Fest ’16


Bedroom in Xangai, 2000

Welcome to Lisbon knowledge-based art meeting


The New Art Fest ’16 is the next crossroad for creative environments where pop culture, conceptual art strategies, and progressive knowledge, come together taking for granted the World Wide Web, Augmented Reality, Internet of Things, Humans, Hybrids, Robots, Nanorobots, Bots and a variety of smart Post-human agents.

The New Art Fest ’16 program will run from 3 to 10th of November 2016 in Lisbon.

We’ll keep you updated!

Festival Management: OCUPART
Festival Director: Antonio Cerveira Pinto
The curator's blog (TNAF '16)

domingo, 10 de julho de 2016

Arte e Tecnologia na Segunda Metade do Século XX




Arte e Tecnologia na Segunda Metade do Século XX: O Código como Paradigma

Deu-me um enorme prazer arguir esta bem estruturada e focada, abrangente e pedagógica, tese de doutoramento de José António Gomes de Oliveira, orientada por Margarida Acciaiuoli na Universidade Nova de Lisboa.

Esperemos que alguma editora tenha olho e publique este oportuno e útil ensaio, à semelhança do que em boa hora foi feito com a tese de doutoramento de Sandra Jürgens—Instalações Provisórias.— recentemente publicada.

Outro doutoramento recente sobre temas afins —mais pragmático, por assim dizer— é o da artista, e agora doutora-artista, Adriana Sá, no Goldsmiths's College de Londres. Arte contemporânea ou pós-contemporânea? A dita arte contemporânea é cada vez mais um fruto podre da grande especulação financeira global que anda por aí a desfazer países e a corromper pobres diabos enquanto não desaparece de vez. A arte pós-contemporânea, por outro lado, já chegou, e até a sua arqueologia começa a ser estudada, o que não deixa de revelar-se uma sintomática e boa notícia. Já agora, a história oficial da arte portuguesa contemporânea começa a implodir pelas costuras ;) Falta tão só demolir as suas corruptas instituições e a rede de cumplicidades alcandorada, quase sempre, em dinheiros públicos capturados sem legitimidade, nem vergonha. THREE NEW PhD THESIS YOU MIGHT NEED TO READ OR TEST ...if you really want to know anything useful about post-contemporary Portuguese art:
  • By Jose Antonio Gomes Oliveira: Arte e Tecnologia na Segunda Metade do século XX: O Código como Paradigma
  • By Sandra Vieira Jürgens: Instalações Provisórias
  • Adriana Sa has developed an audiovisual instrument and a corresponding compositional language, based on a perceptual approach.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

From pattern languages to living structures

Do we still have the moral capacity to do it?


I think that only artists and philosophers with programming capacities and the will to code can make a difference and will have any significant influence in the future of arts.

“...the objects that are most profound, functionally, are the ones which also promotes the greatest feelings in us” — Christopher Alexander


Christopher Alexander - Patterns in Architecture

The following presentation was recorded live in San Jose, California, October of 1996, at The 1996 ACM Conference on Object-Oriented Programs, Systems, Languages and Applications (OOPSLA).

terça-feira, 5 de abril de 2016

Casbá de Belém



A prepotência partidária não tem cor. É prepotência. Ponto!


Um administrador nomeado por um Governo deve pôr de imediato o seu lugar à disposição quando o Governo muda. O CCB não é uma direção-geral, não é um instituto público. Não é um órgão administrativo que possa ser dirigido por qualquer gestor desde que se ache bom gestor. É um lugar de confiança política, porque concretiza, com ampla liberdade, uma política. Para mim, pôr o lugar à disposição é uma clara exigência ética. Sei que neste ponto, como nos que refiro acima, a minha opinião vai contra o que, talvez maioritariamente, as pessoas pensam. Por isso a dou. 
Miguel Lobo Antunes, in "Não há nada a mudar no modelo do CCB". Público, 4/4/2016

Ponto número 1: a Fundação CCB não é uma verdadeira fundação, pois depende sobretudo do Estado (único fundador) e do governo de turno, ou seja, não passa, institucional e politicamente, de um aborto jurídico-partidário, e de um subterfúgio legal ao funcionamento decente de uma res publica.

Ponto número 2: se o Presidente deste aborto burocrático do Estado deve demitir-se sempre que muda o governo, pergunto: trata-se esta de uma regra única, ou aplica-se a todos os outros domínios da coisa pública, incluindo a Caixa Geral de Depósitos e a sua Culturgest? É que a pública Caixa não só se encontra numa situação em tudo similar à do CCB, como recorre pesadamente aos bolsos dos contribuintes. Muito mais do que o CCB!!!

Eu aprecio a tomada de posição frontal de Miguel Lobo Antunes. Mas apreciaria ainda mais que debatesse comigo, ou com quem entender, a sua tese. Pois acho que não tem a mínima sustentação.


POST SCRIPTUM

O precariado de Serralves — à atenção da esquerda à esquerda do PS

Serralves movida a falsos recibos verdes 
Precários Inflexíveis. Março 3, 2016 - Recibos Verdes 
Esta semana os Precários tiveram acesso a um contrato que a empresa EGOR faz aos promotores que trabalham em Serralves. Este contrato é claro: é uma “oferta de trabalho”, tem uma função definida com uma descrição pormenorizada, define o local de trabalho e a remuneração destes trabalhadores, define o fardamento, no entanto, as pessoas estão em regime de prestação de serviços. São falsos recibos verdes. Todas estas pessoas deviam ter um contrato de trabalho. 
Repare-se: é impossível Serralves trabalhar sem promotores, porque, como o contrato bem explicita, fazem a receção de visitantes, a venda de bilhetes, o encaminhamento de visitantes, tarefas sem as quais Serralves não funciona. 
A situação é ilegal e, por isso, os Precários já enviaram uma notificação à Autoridade para as Condições do Trabalho para que investigue esta questão com urgência.
Nas últimas semanas temos descoberto a presença de falsos recibos verdes em muitas salas de espetáculo: CCB, Teatro Nacional de São João, Teatro Nacional de S. Carlos e Teatro Camões. Agora junta-se à lista Serralves. 
Serralves 
Ganhem Vergonha 
De acordo com relatos de antigos e actuais trabalhadores de Serralves recolhidos pela Plataforma Ganhem Vergonha, diversos postos permanentes da Fundação são ocupados ilegalmente ou, no mínimo, de forma dissimulada. Os falsos prestadores de serviços são apenas uma parcela de uma vasta força de mão-de-obra — composta por jovens licenciados e mestres, com idades entre os 22 e os 32 anos — indispensável para o funcionamento do museu. Têm vínculos de 25 a 40 horas e recebem cerca des 550 euros mensais, somada a remuneração ao subsídio de alimentação. 
(...) 
Todos — quer os contratados a termo incerto quer os que passam recibos verdes — têm objectivos mensais relativos à angariação de Amigos de Serralves. Quem trabalha em postos comerciais (livraria, loja e balcão) tem ainda objetivos de vendas, definidos com metas elevadas e pouco transparentes, que são atingidas três ou quatro vezes por ano. Como prémio, recebem vouchers de 25 euros para consumo interno e vouchers de 50 euros para serviços da Sonae Sierra , atribuídos pela Egor. A lei, no entanto, diz que a retribuição pelo trabalho prestado (incluindo prémios) deve ser satisfeita em dinheiro (ou de forma equivalente que possa ser transformada em dinheiro, como por exemplo em cheque) e não em papel, que obriga o trabalhador a consumir bens em determinado operador ou empresa, sem livre escolha.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Vamos Pôr a Cultura no Lugar Certo?


Ofereci 12€ ao MNAA para comprar um quadro de Domingos Sequeira


A menção que acompanha o meu gesto simbólico é esta: Para os que fazem e para os que protegem as artes, não para os que delas se servem.

Quem vai pagar os 60-80 milhões da teimosia de meia dúzia de burocratas e de meia dúzia de populistas da casta partidária que temos, pelos famosos Mirós do BPN que ninguém viu, nem avaliou? Os contribuintes do costume, certo? Este cacau perdido, cujos responsáveis ninguém conhece, daria para tirar os museus nacionais da indigência em que se encontram. Já alguém pensou nisto?

A passagem da anterior secretaria de estado da cultura cor-de-laranja a ministério cor-de-rosa significou uma duplicação dos gastos em gabinetes, ou seja, em burocratas e clientela partidária.

Esta despesa inútil teria sido certamente suficiente para comprar os pixels em falta na campanha 'Vamos Pôr o Sequeira no Lugar Certo'. No entanto, lá veio o peditório de quem tem o cinto de segurança partidária bem apertado aos que não sabem se terão emprego, ou empresa, no próximo mês.

Não só a fatia da Cultura no Orçamento de Estado de 2016 diminuiu em termos absolutos (João Soares e o seu Ministério têm menos 44 milhões de euros do que a Secretaria de Estado que foi de Jorge Barreto Xavier), como em termos relativos coloca muitos problemas: o orçamento dos gabinetes duplicou em relação à gestão anterior, devorando ainda mais um orçamento já de si miserável, e fizeram-se previsões de receita imprudentes, como no ICA—Instituto do Cinema e do Audiovisual, que poderão deprimir ainda mais a realidade da disponibilidade orçamental anunciada.

Será que a Cultura precisa dum ministério, ou a coisa resolver-se-ia simplesmente com alguma modernidade institucional, estratégia, boa gestão e certamente mais dinheiro? Afinal, continuamos a milhas dos famosos 1% do Orçamento (teriam que ser 600 milhões de euros em 2016).

A Geringonça não trouxe, nem mais dinheiro, nem mais esperança à Cultura indígena, pois vai andar por aí a cortar fitas com 0,29% do OE2016 no bolso. E resta saber com que transparência e incumbências à albarda.

Estados Unidos da América, Reino Unido, Alemanha, Suíça, Japão não têm ministérios da cultura.

Será que a pujança cultural destes países perdeu alguma coisa com tal pecado? E será que Portugal ganhou o que quer que fosse em manter esta ficção burocrática e autoritária no cada vez mais escanzelado modelo francês de inspiração napoleónica decadente?

Entretanto, o estilo caceteiro impera, sem ideias, sem projetos, sem uma noção de política cultural.

É extraordinário que depois do bota abaixo no Parlamento, na comunicação social, nos blogues e por aí fora, a propósito do dinheiro disponibilizado para a Cultura no tempo em que Jorge Barreto Xavier era secretário de estado de Pedro Passos Coelho, agora toda a Esquerda (não a minha!) e quem a apoia estejam silenciosos e furtivos que nem ratos perante o desastre ambulante que lhe sucedeu.

A DGArtes, por exemplo, tem menos 700 000 euros este ano. Ouviram algum pintor, algum escultor, algum fotógrafo, ou algum 'investigador' protestar? Chama-se a isto medo da Esquerda e estupidez. Só a esta falta de luz se pode louvar quem na Esquerda faz mal, e deixar de valorizar quem no Centro ou na Direita fez melhor.

É a tímida democracia que temos? Ou somos todos, afinal, indigentes e corruptos?



Para patrocinar um pixel e assim ajudar a comprar a A Adoração dos Magos, de Domingos Sequeira, para o MNAA, basta seguir este LINK

quarta-feira, 16 de março de 2016

Marta Mestre no Inhotim

Pavilhão de exposição na margem de um dos lagos do centro de arte contemporânea do Instituto Inhotim, Belo Horizonte, Brasil. Instalação de Tunga.
Pavilhão de exposição na margem de um dos lagos do centro de arte contemporânea do Instituto Inhotim, Belo Horizonte, Brasil. Instalação de Tunga.


Há museus a mais e estão cheios de obras de arte. Tempo de produzir pensamento crítico e convocar a comunidade


A crise chegou a todo o lado. O exemplo do que sucede nos chamados países emergentes, como o Brasil, Angola, ou a China, agravou o choque anteriormente vivido nas velhas democracias ricas e culturalmente avançadas da América e da Europa. Há um excesso de capacidade produtiva (criativa, no caso das artes), um excesso de obras de arte (que a subida dos preços imobiliários torna incomportável manter em reserva) e, em contraposição, menos dinheiro para produzir, menos dinheiro para expor, menos dinheiro para promover, e até um certo cansaço das velhas formas de consumir.

Na metamorfose em que estamos desde o início deste século, multiplicam-se aflitivamente as vítimas colaterais, o downsizing é geral, anseia-se por alternativas e novas ideias. Talvez, como lucidamente propõe Marta Mestre, seja o momento de produzir pensamento crítico. O pequeno paraíso criado pelo empresário mineiro Bernardo de Mello Paz, onde um extraordinário acervo de arte contemporânea convive com a arte da paisagem, talvez seja um dos lugares mais apropriados para promover um grande passeio filosófico sobre a razão da arte, e o tempo que aí vem. Marta Mestre será certamente capaz de ali convocar o pensamento crítico de que fala.




REFERÊNCIAS

Portugal e Brasil

VPF: Portugal e Brasil aparentam continuar distanciados, e os anos sucedem-se. Não me parece difícil verificar que o distanciamento cultural entre os dois países é um prolongamento da visão impossível do ‘fado tropical’! Na tua opinião “o que é que Portugal não tem” para se compatibilizar integralmente com o Brasil?

MM: O que Portugal não tem eu não sei..., mas eu costumo dizer que são dois países que falam a mesma língua, mas não conversam a mesma linguagem. Precisamos de nos traduzir mutuamente... Aliás, esse seria um bom exercício de curadoria, mais do que procurarmos as afinidades.

in Entrevista a Marta Mestre realizada por Por Liz Vahia e Victor Pinto da Fonseca | ARTECAPITAL


Nova curadora: ‘Caminho de Inhotim é produzir conhecimento’

por Audrey Furlaneto

“Em dez anos, Inhotim consolidou sua vocação: é um grande museu, majoritariamente ocupado por instalações site-specific, que propõem a relação arte e natureza em projetos de grande escala. O espaço que se abre agora é o de adensamento crítico, de tentar produzir algum conhecimento e criar conexões teóricas, para que Inhotim não se reduza a um megaprojeto de artistas consagrados.” A avaliação é de Marta Mestre, recém-nomeada curadora de Inhotim, ao lado do americano Allan Schwartzman e do alemão Jochen Volz.

Aos 35 anos, Marta foi indicada ao cargo e passou por um processo de seleção até ser anunciada, na semana passada, a curadora in loco do megamuseu no interior de Minas — Schwartzman vive em Nova York e Volz, em São Paulo. A portuguesa, radicada há seis anos no Rio, tece um discurso pouco estridente para o museu em que tudo é grandioso — a área de Inhotim equivale à de 300 campos de futebol, e seu orçamento é de R$ 42 milhões ao ano.

Discreta, Marta não alardeia a criação de novos pavilhões nem a compra de obras ou a construção de projetos de escala espetacular. Defende que o momento do megamuseu é, agora, de “produção de pensamento crítico” [...]

in O Globo, 16/03/2016 6:00 / Atualizado 16/03/2016 11:23


Marta Mestre/ Bios

Portuguesa. Vive e trabalha no Rio de Janeiro onde é curadora assistente no MAM Rio. Graduada em História da Arte [Universidade Nova de Lisboa, 2003] e Cultura e Comunicação/ Museologia [Université d’Avignon, Paris, 2005]. Faz crítica de arte e publicou em Arte y Parte (Santander), Dardo (Santiago de Compostela), Arte Capital (Lisboa), Concinittas (Rio de Janeiro). Coordenou o Centro de Artes de Sines [Portugal, 2005-2008] onde fez a programação de artes visuais e artes de palco, e foi curadora das exposições (seleção): A situação está tensa mas sob controlo [Artecontempo, Lisboa, 2005]; Estado de Atenção, [Casa da Cerca, Almada, 2010]; Terceira Metade [MAM RJ, 2011]; Rodrigo Souza Leão [MAM RJ, 2011], Novas Aquisições 2010-2012. Col. Gilberto Chateaubriand [MAM RJ, 2012]; É uma das curadoras do projeto Imago/Ymago que edita em Portugal os autores J. Rancière, Didi-Huberman, V. Stoichita, H. Belting e Aby Warburg.

in Fórum Permanente


Instituto Inhotim

O Instituto Inhotim é a sede de um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do Brasil e considerado o maior centro de arte ao ar livre da América Latina.
[...]

O Instituto Inhotim abriga um complexo museológico com uma série de pavilhões e galerias com obras de arte e esculturas expostas ao ar livre. O surgimento do Inhotim no cenário das instituições culturais brasileiras tem como marca, desde o início, a missão de criar um acervo artístico e de definir estratégias museológicas que possibilitem o acesso da comunidade aos bens culturais. Nesse sentido, trata-se de aproximar o público de um relevante conjunto de obras, produzidas por artistas de diferentes partes do mundo, refletindo de forma atual sobre as questões da contemporaneidade.
Inhotim é a única instituição brasileira que exibe continuamente um acervo de excelência internacional de arte contemporânea.

Graças a uma série de contextos específicos, Inhotim oferece um novo modelo distante daquele dos museus urbanos. A experiência do Inhotim está em grande parte associada ao desenvolvimento de uma relação espacial entre arte e natureza, que possibilita aos artistas criarem e exibirem suas obras em condições únicas. O espectador é convidado a percorrer jardins, paisagens de florestas e ambientes rurais, perdendo-se entre lagos, trilhas, montanhas e vales, estabelecendo uma vivência ativa do espaço.

Mais sobre o Instituto Inhotim

quarta-feira, 2 de março de 2016

Lamas saneado do CCB



Já nem cuidam da forma


Texto corajoso e indispensável de Raquel Henriques da Silva sobre a tomada de assalto de um pobre ministério, o da Cultura — hoje com menos 44 milhões de euros do que no tempo da tão vilipendiada Secretaria de Estado da Cultura dirigida por Jorge Barreto Xavier.

Menos mal que o Bloco de Esquerda sentiu este abuso de poder como o que foi e é: um abuso de poder descarado. Veremos o que sairá deste abcesso partidário de seita.

Direito à indignação 
RAQUEL HENRIQUES DA SILVA 
Público, 29/02/2016 - 01:15
Decidi tomar posição para exprimir a minha profunda indignação pelo modo como António Lamas tem sido enxovalhado.
Por estes dias, tenho estado na expectativa de que a discussão do orçamento de Estado pudesse ser momento adequado para que o Ministro da Cultura (MC) enunciasse as linhas mestras da estratégia política para um sector que, há mais de uma década, não tem linha de rumo consistente. 
[...]
Compensando a ausência do que mais interessaria, o MC tem-se desdobrado em declarações sobre dois tópicos, especialmente mediáticos: a decisão “incontornável” de que “os Mirós” vão ficar em Portugal e a extinção da Estrutura de Projecto para a gestão conjunta do eixo Belém-Ajuda. Neste caso, foi-se percebendo que o MC visou também (ou sobretudo?) afastar António Lamas da direcção do CCB, para ser substituído por “alguém com experiência, bastante mais jovem, com provas dadas, nomeadamente ao nível de responsabilidades públicas num ministério” (Público on line 26 Fev.). Já antes, o Ministro se referira a Lamas como “alguém que não tem legitimidade democrática, que é metido por razões disto ou daquilo” (Expresso, 20 de Fev.).
É com desgosto que refiro este linguajar trauliteiro, infeliz num ministro da nação e, mais, naturalmente, no Ministro da Cultura. Não pretendo neste momento pronunciar-me sobra a extinção da Estrutura de Projecto e sei que, em caso de conflito de personalidades como é o caso, um Ministro dispõe de legitimidade de demitir. Mas decidi tomar posição para exprimir a minha profunda indignação pelo modo como António Lamas tem sido enxovalhado, fazendo tábua rasa do facto incontornável de ele ser um dos mais brilhantes e dedicados gestores culturais em Portugal a que o nosso património muito deve.
Gostaria de perguntar ao MC (que tanto apreciou o Museu Grão Vasco, modernizado pelo arq. Eduardo Souto Moura) se ele sabe que foi António Lamas (sendo Secretária de Estado da Cultura, Teresa Gouveia) que, no final dos anos de 1980, delineou e pôs em movimento a modernização não só do Museu Grão Vasco mas do Museu Soares dos Reis, do Museu de Aveiro, do Museu de Évora, do Museu do Abade Baçal, do Museu Nacional de Arte Contemporânea, convidando para o efeito arquitectos como Fernando Távora, Alcino Soutinho, Hestnes Ferreira, António Portugal e Manuel Maria Reis e Jean Michel Wilmotte, abrindo assim o mais extraordinário período de obras de requalificação dos museus portugueses de todo o século XX. Que envolveu (saberá o Ministro?) o projecto do próprio CCB que nunca existiria sem o rasgo e a determinação do então Presidente do IPPC que tantos contestaram como inútil e faraónica obra que escondia a cenografia estadonovista dos Jerónimos!
Mais recentemente, antes de chegar à direcção do CCB, Lamas foi (saberá o Ministro?) presidente da empresa Parques de Sintra, Monte da Lua que, sob a sua direcção, passou de um organismo inútil (estou a ser benevolente) para a mais inovadora experiência de gestão cultural em Portugal, traduzida em factos: a valorização do Castelo dos Mouros e envolvente, a renovação museológica e museográfica do Palácio da Pena, o restauro integral do Palácio de Monserrate e do Chalet da Condessa de Edla, a aquisição de novas propriedades, o restauro e renovação dos jardins, matas e florestas. Não pense o Ministro (ou os eventuais leitores) que exagero: basta ir e fruir o estado presente daquele património notabilíssimo. E se os proventos das bilheteiras e das lojas galoparam, em função de exponencial crescimento dos públicos, não é possível, como pretenderam alguns, falar de opções mercantilistas: nunca, como a partir de António Lamas, aquele património foi estudado, conservado, ampliado e valorizado.
A minha indignação assenta, portanto, na inaceitável atitude de um recém-chegado Ministro que ainda não provou nada, para com um homem que, há mais de trinta anos, vem servindo com raro brilhantismo e respeito pela coisa pública, o património português. Esta notável herança tem de ser considerada e, mais propositivamente, seria, para qualquer político avisado, um repto para pensar o futuro. Porque, não tenha qualquer dúvida o Ministro, e a estranha equipa que o rodeia, que urge ter ideias, estratégias e linhas de acção, aproveitando, com projectos complexos, inovadores e fundamentados, as parcerias que o Ministério da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior tem vindo a propor, neste caso com uma consistência que nos enche de esperança.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Miza Coplin @ Art Baby Gallery

Uma foto publicada por Miza Coplin (@dadshirt) a


Illustrating the surreal world of hypersexuality


Laying her innermost thoughts out on paper, these drawings delve into the problematic world of the computer game pin-up

DAZED. February 2016. Text Ione Gamble

“Everything is reaction inducing. So much of the way we live is just totally absurd to me. I wanna embrace it instead of falling back on a default eye-roll”, says Miza Coplin, Art Baby Gallery member and illustrator currently residing in Brooklyn. But despite having not taken drawing seriously since her days of doodling gothic fairies growing up, after moving to New York to be with her sister Coplin found herself constantly surrounded by creatives in the cultural capital, inspiring the 24-year-old to put pen to paper and document the weirdest corners of her mind.

Miza Coplin @ Art Baby Gallery

Miza Coplin. Instagram @dadshirt

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Azores and its pre-historical human testimonies



Carta enviada hoje [6/2/2016] ao Gabinete do Comissário para os Direitos Humanos e ao Secretário do Intra-Institutional Meeting do PECSRL (Permanent European Conference for the Study of the Rural Landscape)

To the Office of the Commissioner for Human Rights

I endorse Antonieta Costa’s request for the scrutiny of the Terceira Island Cultural Landscape to the Permanent European Conference for the Study of the Rural Landscape in what concerns attention to its protection, management and development.

Dear people, 
I am addressing your organization with the intention of obtaining an impartial assessment to this “Azores Case”. By establishing communication with the cultural landscape research groups and a more interactive relationship with the European research network (through being integrated in its assembly), I expect to obtain new answers for the protection, management and development of the particular case I am studding in the Azores, the most distant of the European landscapes. 
Monitoring some archaeological vestiges here in Terceira Island, Azores, on a project of post-doctorate in Anthropology of Space with the University of Porto, Portugal (2014/2017), I am finding great difficulties for the acceptance of its results from the part of the authorities (national and regional). This happens due to the nature of the archaeological findings, which contradicts the “established” history of the discovery of the islands by the Portuguese in the XV century. In result, the entire (Portuguese) archaeological body manifests opposition, while the foreign one (among whom there is Sir Barry Cunliffe) approves their validity. In order to obtain external recognition for this ignored and endangered heritage I have decided to avoid the main issue and simply apply for the rights to the classification of the phenomenon as “Rupestral Landscapes” (which means “Cultural Landscapes”). This could be done by ignoring the battle about the age of these findings and simply recognizing their engravings as “manmade”, thus, determining this type of Landscape as “Cultural”, or better: “Rupestral” (which means exactly that), leaving the authorship and datation for future studies, which would then be allowed… 
By the nature and volume (several square kilometers) of these findings I am sure there will be no problem for an external jury to proceed to its classification. For my study I was recording specially the rock basins carved in the bed rock, from which there is a countless number. Some of these basins are displayed in an area with a scale of several square kilometers, marked by rock formations with zoomorphic and anthropomorphic figures surrounded by rocks similar to menhirs, most of them carved with signs, suggesting a cultural manifestation. But with the denial for permission and support for archaeological studies, from the Portuguese and Regional authorities, I am now looking for its economic feasibility in order to repair the profit of the population, while waiting for better conditions for its proper study. 
I can send you a pdf of a publication depicting the situation. Or, you can search in Amazon.com “The Rock Basins of Serra do Cume”, considering the possibility to help developing here a new EU-project.
Waiting for an answer, my best regards
04/02/2016
Antonieta Costa
Caminho do Meio, S. Carlos, 2
Angra do Heroísmo, 9700-222, Terceira, Açores,
Portugal

Paisagens Rupestres da Ilha Terceira 


Quarta, 02 de Dezembro de 2015
CANDIDATURA
Na candidatura a fundos para estudo que foi apresentada à DR da Ciência e Tecnologia pelo Instituto Histórico da Ilha Terceira, não foi necessário fazer nenhum esforço para conciliar os interesses do Governo com os nossos: são precisamente os mesmos! Nós também pretendemos desenvolver o turismo (e especificamente o de paisagem) e para tal, também o apresentamos diversificado, como é aconselhado pelo Governo: será uma Paisagem Rupestre (única na Região, uma vez que o termo se refere a inscrições na rocha) e que se encontra assente numa estrutura geológica também única na Região: 60% de Traquitos (que nenhuma das outras ilhas possui nesta percentagem). De notar que esta “coincidência” não é aleatória, pois a presença de sílica nos traquitos é uma réplica do que acontece no granito e outras rochas utilizadas nos monumentos megalíticos da fachada Atlântica Europeia.
A particularidade “Rupestre” existe numa grande abundância e inexplicável como fenómeno natural. Instalados em locais panorâmicos de grande beleza paisagística, estes sítios identificados como “Rupestres” convidam a uma visita, mesmo que apenas pela conveniente localização, acrescentando à sua própria essência esse outro atractivo. O que será mais necessário? De tão óbvio torna-se embaraçoso e incompreensível o seu desaproveitamento (principalmente como desperdício de tão bom recurso, para mais em época de crise). Alega-se a necessidade do seu estudo, claro, mas apenas o fazem aqueles que ainda não os visitaram (e não os visitam, não se sabe porque). 
No projecto de estudo (apresentado como Candidatura a fundos) foram inscritas duas linhas de acção: primeiramente, um levantamento/inventário das peças, ou seja: das pias, das figuras ou “geoglifos” que os centralizam, e das zonas de maior densidade de inscrições, com a respectiva localização em mapa e referenciamento por GPS. Em segundo lugar, a sua contextualização pelas várias ciências (Geologia, Arqueologia, Antropologia, Biologia, etc.). 
Assim foram estabelecidas as prioridades:
1. Construção de uma base de dados (inventário) com o registo, tipificação e localização de pias entalhadas na rocha mãe (e outros objectos na sua envolvente), informatização e disponibilização deste suporte informático para adaptação a telemóveis e outros acessos. 
2. Ensaio de datação das rochas com pias e inscrições, a ser realizado por geólogo da U.Açores (em laboratórios exteriores) 
3. Estudo das rochas (traquites) e do seu magnetismo (em comparação com as basálticas), considerando a possibilidade de influências benéficas para a saúde, que incluiria estas áreas no turismo de bem-estar e saúde. 
4. Estudo de pólen (extracção em turfeiras) para comparação com a flora actual ambiental destas áreas (e possível datação), salientando também a descrição da biodiversidade, em especial dos endemismos ali presentes. 
5. Estudo das diferentes tipologias vernaculares das construções aí existentes, especialmente muros. 
O projecto (de dois anos) prevê também a criação de alguns empregos, para além dos que, de imediato, podem ser oferecidos aos guias de turismo, pois a visitação dos sítios não terá que esperar. Aliás, é incompreensível a relutância deste sector em utilizar matéria tão aliciante. 
Antonieta Costa
01/12/2015