domingo, 28 de maio de 2017

MAAT Conference on Post-Internet Cities




I met a few wonderful people at MAAT’s Post-Internet Cities, namely Nashin Mahtani, Morten Søndergaard, Andrea Baldini, Alice Bucknell, Marisa Olson and Giselle Beiguelman. I was also curious about the work by IOCOSE Collective, after listening to Matteo Cremonesi presentation. I had the feeling that if I have had the opportunity to listen to Linda Aloysius‘s complete wanderings on “Art: Women’s Dirty Work in the Digital Age”, another impression would last. Funny and very MIT was AI and ML approach by intelligent design post-graduate students Stephanie Cedeño, Xiaoxuan (Sally) Liu, Godiva Veliganilao Reisenbichler, Nicci Yin.

The only question (rephrased) I addressed the conference:

What are the differences between technology and nature from the point of view of today’s children, and what differences will they make to future art practices?

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O fim da democracia

Manuel Casimiro
Serigrafia, 1972

Imaginação crítica e salvação


Nesta peça de Manuel Casimiro, de 1972 —curiosamente o mesmo ano em que Donella H. Meadows, Dennis L. Meadows, Jørgen Randers, e William W. Behrens III publicaram The Limits to Growth, e um ano antes da primeira grande crise petrolífera mundial— a metrópole moderna surge simbolicamente descrita como uma arquitetura e uma ideologia consumistas: cada arranha-céus é, nesta representação, uma embalagem do cabaz de compras típico de uma sociedade de consumo.

A intuição crítica do artista não poderia ter sido mais certeira, pois ocorreu naquele já longínquo ano de 1972 o fim da explosão económica que esteve na origem da ilusão do crescimento e da prosperidade perpétuas. A taxa de crescimento demográfico mundial atingira o pico em 1962. Metade das melhores reservas de petróleo americano (o puro e barato sweet crude oil) tinham já sido consumidas em 1970, pelo que seria a partir daquela data necessário poupar o petróleo remanescente e procurar satisfazer as futuras necessidades da voraz economia americana noutras paragens: Canadá, Irão, Iraque, Arábia Saudita, Líbia, Venezuela, Angola, etc. A primeria grande crise do petróleo ocorreria em 1973.

Recall from chapter 15 the four domains that I argued are the sources of deep satisfactions: family, vocation, community, and faith. In each of those domains, responsibility for the desired outcome is inseparable from the satisfaction. 
— in Charles Murray, Coming Apart.

Acabei de ler um livro de Charles Murray, publicado em 2012 sob o título Coming Apart—The State of White America, 1960-2010, onde se demonstra como o início do fim do Sonho Americano se fez acompanhar pelo declínio imparável das tão proclamadas quanto excecionais virtudes fundadoras da América: IndustriousnessHonestyMarriageReligiosity. Este declínio atingiu sobretudo o que o autor chama new lower class, por oposição à new upper class, onde tais virtudes declinaram menos ou se mantiveram. Hoje existe uma elite económica, financeira e cultural que é sobretudo uma elite cognitiva, que se reproduz nos campus das grandes universidades e se aglomera em manchas urbanas e suburbanas muito bem delimitadas e homogéneas. Murray chama as estas manchas geográficas de poder económico, social e cultural, SuperZips. No extremo oporto desta novidade sociológica cresce a indigência económica, social e cultural, a uma velocidade tal que ameaça hoje claramente a estabilidade política da América. O populismo, de que Trump é o mais recente epifenómeno, é a face negra de uma moeda a caminho de uma desvalorização radical.

Quer na América, quer na Europa, este fenómeno alastra e põe em causa a nossa ideia de sociedade justa, e de democracia. Quem não viu até agora o perigo aproximar-se pertence, em geral, aos 1% dessa nova elite cognitiva protegida no interior de bolhas culturais que, mais cedo ou mais tarde, poderão implodir sob a pressão da mole hostil em que as maiorias democráticas se transformaram—deixando de se rever nas instituições políticas tradicionais e na dicotomia feliz esquerda/direita, que percebem como imprestáveis quimeras ou, pior ainda, como origens do mal.

Será que os artistas e os filósofos bem sucedidos serão ainda capazes de promover uma criatividade inclusiva? E se não forem, que poderemos esperar do resto da elite cognitiva: gestores, empresários, economistas, médicos, advogados, biólogos, engenheiros informáticos, funcionários públicos de topo, deputados, produtores, realizadores, atores e atrizes de teatro, cinema e televisão, jornalistas, etc?

Seria trágico continuarmos a meter a cabeça na areia, ou andar de óculos escuros pela vida que se deteriora à nossa volta. Ignorar a doença social que se vai transformando numa pandemia não a extingue. Pelo contrário, permite que se torne cada vez mais incurável e letal.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Hyperbolic Hyparxis

output_UXVyAd.gif
Hyperbolic Polyhedra - Triangle
two-sided sculpture dimensions - 123x100x46cm
digital print on photographic paper, plexiglass


April 6th to June 6th, 2017

The Faculty of Science of the University of Lisbon is pleased to present HYPERBOLIC HYPARXIS an exhibition by the artist Margarida Sardinha.

PRESS RELEASE
Margarida Sardinha
babelamber@margaridasardinha.com
+351 918 631 894
Digital catalogue

“Henceforth, space by itself, and time by itself are doomed to fade away into mere shadows, and only a kind of union between the two will preserve an independent reality.” – Hermann Minkowski

Hyperbolic Hyparxis is an exhibition comprising 60 new works by the artist Margarida Sardinha for the Faculty of Sciences of the University of Lisbon. The monochromatic site-specific exhibition consists of Hyperbolic Hyparxis (an experimental film), Hyperbolic Curves (a 10ft diameter floating sphere filled with helium), Hyperbolic Polyhedra (4 large scale sculptures), Shadow Symbols and Points, Lines and Distances (respectively 36 and 20 works containing a digital background photograph and a three-dimensional polyhedron overlaying it). The five sets of works complement each other in a liminocentric way, thus, they repeat each other akin to recursive definitions in hyperbolic spaces. Its general concept relates to the following scientific, mathematical and geometrical notions:

Interconnected with the supersymmetric model of Calabi-Yau manifolds, Hyperbolic Hyparxis, conveys the symbolism of geometric sacred structures as shadows of liminocentric or fractal images contemporarily developed through multiverses. It does so by using elements of hyperbolic geometry, which was developed independently by Lobachevsky and Bolyai and it models spaces analogous to Euclidean space, but such that the Euclid’s parallel postulate is no longer assumed to hold as true. Instead, the parallel postulate is replaced by the following statement (in two dimensions):

Given any line L and point P, not on L, there are at least two distinct lines passing through P, which do not intersect L.

This postulate allows, in fact, for an infinite number of such lines to intersect P. However, this axiom still does not characterise the hyperbolic plane uniquely up to isometries; there is an extra variable, the curvature K<0, which must be specified. However, it does characterise this geometry up to homotheties, meaning up to bijections, which only change the notion of distance by an overall factor. By choosing an appropriate length-scale, one can thus suppose, without loss of generality, that K=-1. There are several important models of hyperbolic space: the Klein model, the hyperboloid model, and the Poincaré model. The existence of model spaces implies that the parallel postulate is logically independent of the other axioms of Euclidean geometry. On the other hand, all these models can be related by a transformation, which preserves all the geometrical properties of the space: they are isometric.

Thus, Hyperbolic Hyparxis uses a stream of multiple hyperbolic optical illusions structured as a rhizomatic polyhedral system (hyparxis). These polyhedra are deconstructed into seemingly Calabi-Yau manifolds, which are described in certain branches of mathematics such as algebraic geometry. The Calabi-Yau manifolds’ properties, such as Ricci flatness, also yield applications in theoretical physics. Particularly in superstring theory, the extra dimensions of spacetime are sometimes thought to take the form of a 6-dimensional Calabi-Yau manifold, which led to the idea of mirror symmetry amongst these types of spaces.

Written by Margarida Sardinha and revised by Professor Carlos Florentino (Fac. Ciências, ULisboa).

The Hyperbolic Hyparxis exhibition is organised by Helder Alfaiate Galeria de Arte.

Please use the this secure link to access the digital catalogue of the Hyperbolic Hyparxis exhibition.
The exhibition’s images are available for release upon request – please contact Margarida Sardinha.

Further reference and information

quinta-feira, 9 de março de 2017

Electricity


Electricity
The spark of life
February –June 25, 2017

Wellcome Collection
183 Euston Road
London NW1 2BE
United Kingdom

wellcomecollection.org 
Twitter / Instagram



John Gerrard | X. laevis (Spacelab) 2017

The story of electricity is the story of life itself. From the structure of the atom to the functioning of our brains, this invisible yet vital force is intrinsic to human life. For centuries electricity has captivated inventors, scientists and artists alike, and in the modern era it has transformed our world.

From the first breaths of Frankenstein’s monster to the brutal simplicity of the execution chair, this exhibition contemplates the contradictory life-giving and death-dealing extremes generated by electricity, and traces the story of how humanity has striven to understand, unlock and gain control over this invisible yet all-encompassing force, which continues to mystify and amaze.

Three celebrated artists have been commissioned to create three new artworks for this exhibition: John Gerrard has taken inspiration for his commission from Luigi Galvani's famous experiments into bioelectricity; Bill Morrison explores historical footage from the Electricity Council archive to consider the movement and networks of electricity and its profound interconnectedness with our daily lives; and Camille Henrot considers our energy-dependent lifestyles, as well as the relationship between humans, technology and the environment.

A trio of films accompany the exhibition, each profiling one of the contemporary artists. The first, featuring John Gerrard, can be found here.

Electricity: The spark of life will run from February 23–June 25, 2017. It is curated by Lucy Shanahan and Ruth Garde, Wellcome Collection, with consultant curator Paul Bonaventura. The exhibition has been produced in collaboration with Teylers Museum, Haarlem, Netherlands and the Museum of Science and Industry, Manchester, UK. Following its presentation at Wellcome Collection it will tour to both venues in summer 2017 and 2018 respectively.

segunda-feira, 6 de março de 2017

A Segunda Cidade

Snapart/ Dasha Battelle

Segunda Cidade—o artista e os seus exoesqueletos

Por António Cerveira Pinto

Este seminário (reservado a convidados) faz parte integrante da edição de 2017 do The New Art Fest e conta com a colaboração da Ocupart e da Livraria Sá da Costa—Editora. Se pretender participar escreva-nos dando conta da sua motivação.

Vou iniciar um ciclo de conversas sobre a ideia de uma segunda cidade—cognitiva, algorítmica, eletrónica, imaterial, digital—que já existe interconectada sob a forma de redes e nuvens, embora dispersa e da qual temos uma consciência ainda parcial e difusa.

Estas conversas dizem respeito a uma metamorfose técnica e social da humanidade, cuja perceção procurarei estimular sob o ângulo privilegiado da criação artística, começando desde logo por propor uma conversa sobre a metamorfose da arte e do artista nesta transição de uma sociedade pós-moderna para uma sociedade pós-contemporânea.

A sociedade pós-moderna, ou a condição pós-moderna, refere-se, segundo a visão perspicaz do já desaparecido filósofo francês, Jean-François Lyotard, ao fim da teleologia moderna, sob a forma de uma dissolução das grandes narrativas (marxismo, democracia, arte moderna) em micrologias e sistemas artificiais de complexidade crescente (ciência, tecnologia, globalização, multiculturalismo). No campo da arte, esta transição deu lugar à emergência da chamada ‘arte contemporânea’—uma tentativa efémera de transformar a arte moderna numa arte eterna, especialmente desenhada para manter a inércia institucional e comercial do património constituído, bem como da especulação financeira associada a esse património e à produção corrente de novos artefactos.

O colapso do tempo moderno, de que o tempo pós-moderno é a transição, deu lugar a um tempo novo, instável no seu começo, de contornos ainda imprecisos, a que chamo mundo pós-contemporâneo, e onde se incluem logicamente as sociedades pós-contemporâneas e uma cultura global pós-contemporânea—de que a arte pós-contemporânea é uma inevitável consequência.

O que distingue radicalmente este novo tempo pós-contemporâneo é a emergência de um mundo artificial inteligente, no qual o tempo também é artificial, nomeadamente no sentido em que deixa de fazer sentido dividi-lo entre passado, presente e futuro. O tempo pós-contemporâneo não corre como correm os rios que ainda correm, nem obedece à estrutura temporal dos seres humanos e das suas fantasias. O tempo pós-contemporâneo e o que este tempo gera é o resultado de uma coisa nova. A essa coisa nova, a que Bruno Latour, Michel Callon e John Law, entre outros, chamam ANT (Actor-network theory), e outros entendem como a emergência do pós-humano no humano, eu prefiro chamar sociedade pós-contemporânea.

O artista, segundo Alfred Gell, é simultaneamente um agente e um paciente entre o objeto arte e a comunidade. Não é a pura subjetividade narcisista que, de certo modo, a modernidade acolheu e potenciou na sequência da libertação revolucionária do invidíduo pós-medieval. O artista é um artífice competente e obstinado de uma relação subjetiva concreta que é estabelecida no cerne das comunidades em movimento, entre os seus membros e aquilo que os rodeia. Esta mediação através da forma, ora demiúrgica, ora pagã, exige e exigiu sempre o domínio da técnica, no sentido de um saber fazer potencial cuja aprendizagem e perfeição só está aparentemente ao alcance de alguns. Seria, pois, muito estranho que os artistas de hoje perdessem o contato com complexidade e alta frequência das tecnologias pós-contemporâneas.

Creio que este preâmbulo poderá servir para introduzir o tema da primeira sessão do acelerador de partículas criativas em volta da Segunda Cidade, ou 2.C): O Artista e os seus exoesqueletos.

Segunda Cidade
Acelerador de Partículas Criativas 2.C

Sessão n.1
7 de março, terça-feira, 18:00-19:00
Livraria Sá da Costa
Praça Luís de Camões, 22, 4º andar. Lisboa

+(351) 927 569 362